Projeto REPERIMETRAL RIO DE JANEIRO

Local: São Paulo

Ano: 2014

Equipe: Luiz Gustavo Sobral Fernandes

O projeto do Parc La Villette em Paris é resultado de um concurso realizado em 1989 tendo sido a proposta executada somente em 1998. O ponto chave do projeto de Tschumi é o desenvolvimento de Follies, módulos programáticos executados sobre uma retícula regular e inseridos no interior do parque. Cada Follie, apesar de possuírem uma linguagem e características físicas em comum não indicam as mesmas possibilidades programáticas, as quais existem de acordo com diretrizes e necessidades encontradas no local.

1.Follies para o município do Rio de Janeiro//A presente proposta se ancora em certos aspectos na proposta de Paris, porém os Follies existentes no projeto de Tschumi são diferentes em diversos aspectos dos módulos que são apresentados nessa proposta. Os módulos vegetados seriam posicionados em diferentes localidades na cidade da Rio de Janeiro (da área nobre à área periférica, da alta à baixa densidade, completando demandas locais) e diferente dos módulos do Parc La Villette teriam dimensões em planta de um edifício de grande porte: as vigas da perimetral serão mantidas na sua dimensão original, formando quadrados de 40m X 40m. As lajes desses objetos seriam revestidas com uma cobertura vegetal semelhante à mata virgem, e dentro desses pavimentos diferentes acontecimentos seriam possibilitados: de acordo com o local de inserção, as características programáticas variam de acordo com demandas locais previamente identificadas.  Os módulos se caracterizariam ainda como um elemento que poderia ser somente sobreposto à uma realidade existente, sem remoções desagradáveis, já que os quatro pilares que compõe o térreo da edificação não tem programa previsto e poderia ser instalados em diferentes locais, altamente ocupados ou não. Nessa proposta são apresentadas (na prancha 2) cinco casos de atuação de módulos vegetados, dentre infinitas possibilidades possíveis de serem realizadas.

2. Distante de um edifício tradicional//O objeto proposto não se encaixa na categoria de um edifício: as grandes lajes vegetadas acrescidas de necessidades programáticas do local de inserção seriam recortes de um terreno virgem, verticalizadas. Os módulos não possuem outro tipo de vedação, sendo compostos somente por lajes e pilares, reforçando esse conceito proposto. As vedações existem somente nos módulos programáticos internos, onde busca-se maior privacidade e proteção com relação às intempéries. A altura dos pilares entre as lajes (de cerca de 16m) reforça ainda mais a distância do edifício tradicional, já que permite que cada pavimento vegetado esteja, grande parte dele, sujeito as condições climáticas existentes no local.

3.Concepção estrutural// A proposta recicla as vigas existentes originalmente na perimetral, reposicionando-as nos novos módulos vegetados onde cumpririam a mesma função estrutural, portanto sendo novamente utilizadas como vigas nessa nova estrutura. Os pilares seriam adquiridos novos conforme as dimensões necessárias e com o mesmo material das vigas: o aço corten. É previsto que os novos pilares e as antigas vigas, apesar de semelhante aparência física se apresentem de forma diferente na imagem final da edificação, considerando que as vigas seriam preservadas com o desgaste natural que forem encontradas. As lajes desses módulos seriam executadas em concreto armado, pré fabricado ou executado in loco na obra, conforme a conveniência na execução desejar. Para a execução dos jardins suspensos, uma borda de aço comum pintada na cor preto fosco seria acrescentada na borda das vigas, garantindo a profundidade necessária para o preenchimento do espaço com terra para o saudável desenvolvimento das espécies vegetais propostas em projeto.

>Projeto premiado como terceiro colocado no concurso Reperimetral

> Projeto exposto na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro